Evite prejuízo ao fechar o capô do carro

Ensinar como fechar um capô pode parecer um ato tão simples que pode ser menosprezado pela maioria das pessoas. Porém, não é difícil ver nas ruas, carros com a ponta do capô amassados decorrentes do mau fechamento.

À primeira vista, o ato que é simples, feito de maneira errada, pode resultar em prejuízo financeiro para o dono do carro.

Como a maioria dos motoristas fecha o capô?

Reprodução: Freepik

A maioria dos motoristas comete erros com essa manobra simples, pois abaixa cuidadosamente o capô até chegar perto da fechadura e, em seguida, usa as duas mãos para concluir o fechamento com força. E, neste exato momento, o motorista causa pequenos amassados, danos, irregularidades na parte superior do capô. 

Você sabe por quê? Por ser muito frágil!

Ademais, o capô é feito de chapa fina e foi projetado para não resistir em caso de impacto frontal, por isso amassa, mas protege a cabine.

Qual o jeito correto de fechar o capô?

O jeito certo de fechar o capô é não ter dó dele! Isso mesmo, você não precisa ser bruto, mas o capô deve ser solto a uma distância de aproximadamente 30 cm.

Sobretudo, este impacto entre o capô e a fechadura irá garantir o fechamento correto do capô sem causar danos.

Sobretudo, caso você realize o procedimento e este não concretize o trancamento, não force o capô com as mãos, levante-o novamente a uma distância um pouco superior e solte para efetuar o trancamento.

Usuários de GNV

Reprodução: Freepik

Nesse ínterim, os usuários de gás natural são os mais afetados. Constantemente, os motoristas que utilizam este combustível, costumam percorrer muitos quilômetros por dia, considerando que o abastecimento deve ser feito pelo compartimento do motor, alguns motoristas chegam a efetuar 02 ou 03 abastecimentos por dia.

Por vezes, devem sempre manter cautela no fechamento do capô.

Carros mais sofisticados

Em contrapartida, veículos mais sofisticados são suspensos por amortecedores a gás, nestes casos, basta empurrar com as duas mãos a parte da frente para fechar.

Com isso, há a distribuição de força entre as mãos e não corre o risco de deformar a peça.

Em ambas situações, o fechamento completo só é alcançado por um leve clique, atingido depois que a trava de segurança for acionada.

Travas do capô

O capô é trancado por duas travas. A principal, é aquela em que o motorista a libera por meio de uma alavanca interna no lado esquerdo do painel.  Já  a segunda trava de segurança, é desprendida manualmente no próprio capô. 

Ademais, a utilização dos dois tipos de travas visa a assegurar a firmeza do capô quando o carro está em deslocamento. Com isso, evita que o capô eleve e possa atrapalhar a visão do motorista e, consequentemente, gerar um acidente.

Manutenção das Travas

Acima de tudo, a manutenção destas travas é bem simples.  Em suma, como as travas tem acionamento mecânico, o meio mais eficaz de realizar as manutenção é lubrificar  com óleo ou graxa.

Ademais, caso as travas não estejam bem lubrificadas, corre o risco do motorista não conseguir puxar a alavanca do capô.

Colisão

Caso o veículo já tenha sofrido alguma colisão frontal ou qualquer tipo de dano, o capô pode estar desalinhado, o que dificulta o fechamento. Com isso, o fechamento deve ser feito com mais cuidado até que o problema seja solucionado.

Fonte: Estado de Minas

Autopapo

Compartilhe este post:

Este blog utiliza cookies para garantir uma melhor experiência. Se você continuar assumiremos que você está satisfeito com ele.